José no Egito   1 comment

Uma das mais belas histórias da santa Bíblia na minha opinião é a história de José no Egito. Bem, para compreendermos sua história, precisamos saber quem foi José e porquê foi parar no Egito. Vide Gênesis 37’12” a 50′.

Quem Foi José

José era o décimo-primeiro dos filhos de Israel e o primeiro dos filhos de Raquel – segunda esposa de seu pai e era o preferido de seu pai pelo fato de seu pai já ser velho na época de seu nascimento.  Por conta de seu amor 2735880342_9092e6b5c5maior por José, Jacó mandara fazer uma bela túnica comprida pra ele com mangas longas. Isso causara muita inveja e ciúmes aos seus irmãos que, quando José era ainda bem jovem, 17 anos e pastor de ovelhas e cabras fora vítima dos maus sentimentos de seus irmãos. Agravara-se contra José contar a seu pai os atos errados de seus irmãos.

Não só ciúmes e raiva eram os sentimentos de seus irmãos, como a cólera e eram grossos ao dirigirem a palavra a José.

Certa vez, o jovem filho ao contar seu sonho, agravou-se a ira de seus irmãos. José contou aos demais que no sonho, seu feixe de trigo ficara de pé enquanto os feixes de seus irmãos curvaram-se diante do dele, ao redor do dele. Zombaram de José e odiaram até o jeito que o menino os contava seu sonho. Outra ocasião José também sonhara e contara a seus irmãos do seu novo sonho: o sol, a lua e onze estrelas curvaram diante dele e seu pai o endagou perguntando se os astros representavam ele, a mãe de José e os onze irmãos. Isaque continuou refletindo o sonho e tudo isso só serviu para aumentar a ira de seus irmãos contra ele.

Como e Porquê Fora Levado ao Egito

Certa vez os irmãos de José levaram o rebanho de seu pai até os pastos próximos à cidade de Siquém e Jacó ordenou que José se juntasse aos demais. Prontamente o jovem obedecera a seu pai que pedira por notícias. José partiu do vale de Hebrom* à Siquém. Avistou um homem que o perguntou o que o garoto procurava e José disse que estava à procura de seus irmãos e o homem disse que estavam cuidando de ovelhas e cabras e José continuou a perguntar se o homem havia visto com precisão o lugar onde se encontravam e o homem disse que ouvira uma conversa dos irmãos dele dizendo que haviam ido a Dotã. José procurou-os e os achou em Dotã. Seus irmãos o avistaram de longe e planejaram sua morte. Rúben, contudo, não permitiu que isso acontecesse, sugeriu que o jogassem no poço, mas que nem o machucasse. A ideia de Ruben era mandá-lo de volta a seu pai.

Ao chegar no local, os irmãos tomaram-lhe a túnica que fora presente de seu pai e o jogaram no poço seco e sentaram-se para comer. Ao comerem, avistaram uma caravana de Ismaelitas** que vinha de Gileade e ia para o Egito. Vendo a caravana cheia de especiarias como perfumes, Judá indagou o que ganhariam matando-no se poderiam vendê-lo e os demais concordaram. Quando uma nova caravana de Medianitas passou, venderam-no por vinte barras de prata e os compradores o levaram para o Egito.

Rúben voltou e viu que seu irmão não se encontrava mais no poço e rasgou suas roupas em sinal de tristeza. Voltou para o lugar que seus irmãos estavam e disseram que seu irmão não mais se encontrava no poço. Porém seus irmãos mataram um cabrito e mancharam a túnica de José com sangue e levaram a seu pai perguntando se a túnica que fora ‘achada’ era a única túnica de José e seu pai logo reconheceu e fez como Rúben – rasgou suas vestes em sinal de tristeza imaginando que algum animal o destroçara e o devorara. Jacó estava desolado. Não quis consolo dos filhos. Disse que ficaria de luto até o dia em que os dois o encontrassem.

Enquanto isso, os medianitas venderam José a Potifar – oficial e capitão da guarda do rei. Ele morava na casa de Potifar e tudo ia bem até então. Tudo que José fazia era certo e Potifar reconhecia isso. Com isso, ganhou a simpatia de seu dono que o tornou ajudante particular. José fora encubido de cuidar de sua casa e de tudo que era seu. O Senhor abençoou o lar de Potifar por conta disso, bem como seus pertences no campo. José tinha tanta a confiança de Potifar que este não desconfiava dele.

Conta a Bíblia que José era um belo homem e isso gerou a cobiça da esposa de Potifar. Ela o convidara pra deitar-se com ele e o mesmo recusou. Tais propostas se repetiam dia após dia e assim, José evitava sua presença. Certo dia quando não havia empregados na casa, ela novamente o agarrou e ele mais que depressa fugiu, mas em suas mãos ficou a capa que ele usava e prontamente a mulher chamou os empregados e disse que José tentara agarrá-la. Ela  esperou Potifar chegar pra acusar José, ao chegar, Potifar ouvira que o hebreu tentara manter relações com ela. Potifar enfurecera-se e o aprisionou. Mas o Senhor era com ele e o abençoou com a simpatia do carcereiro que deu a José o encabimento dos outros presos e ele quem mandava ali e assim, o carcereiro com nada se preocupava com o que encubia a José e o Senhor abençoava em tudo o que ele fazia.

Os Sonhos que José Interpretou

Passado um tempo, o copeiro, encarregado dos vinhos e o padeiro ofenderam o rei e este mandou que os prendessem. Ficaram presos com José onde ali ficaram muito tempo. Certa noite, ambos tiveram um sonho cada e contaram a José, pois José os viu preocupados e perguntou-os o motivo de tanta preocupação.

O copeiro contou seu sonho: Uma parreira havia três galhos e à medida em que as flores sumiam, apareciam uvas maduras. O rei segurava um copo e eu espremia as uvas no copo do rei . José rapidamente tratou de explicar: seriam três dias que o servo iria esperar pra ser solto e voltar as suas atividades comuns. Pediu que lembrasse de José e pedisse junto ao rei por sua liberdade. O chefe dos padeiros viu que a notícia ao copeiro foi boa e contou a José o seu. Disse que as aves devoravam a comida destinada ao rei. José disse que o padeiro esperaria três dias até que o rei o soltasse, cortasse sua cabeça e as aves comessem sua carne.

No terceiro dia foi a comemoração do aniversário do rei e este mandou soltar o copeiro, ofereceu um banquete e ordenou que o chefe dos padeiros também viesse e fez como José havia contado. Contudo, o copeiro esqueceu-se de José completamente.

Dois anos depois, o rei sonhou que primeiro avistara sete vacas vistosas pastoreando e que sete vacas magras e feias as abocanhavam. O rei acordou e tratou de dormir de novo, sonhou novamente. Desta vez que sete espigas de trigo saíam do mesmo pé, eram cheias de grãos e que depois sete espigas secas, queimadas pelo vento quente do deserto engoliam as sete espigas boas. Logo o rei acordou. Chamou os adivinhos e todos os sábios do Egito, porém nenhum soube interpretar seu sonho.

José Interpreta os Sonhos do Faraó

Então o chefe dos copeiros lembrou-se de José e contou o rei daquela ocasião de sua prisão e que José havia interpretado corretamente os sonhos. O rei mais que depressa mandou chamar José, cuidaram de sua aparência e apresentaram-no ao rei e o rei indagou da capacidade de José de interpretar os sonhos e José disse que não dependia dele e sim, de Deus. O rei contou os dois sonhos e disse que nenhum adivinho fora capaz de contar o que os sonhos significavam. José disse que ambos significavam a mesma coisa – seriam sete anos de ampla fartura no Egito e os sete anos posteriores seriam de fome e pestes e que a repetição dos sonhos significava que o sonho iria se concretizar logo. Disse que o rei deveria escolher um homem sábio para sirigir o país e escolher a quinta parte para que os sete anos de fome não matasse todo o Egito.

José é nomeado Governador do Egito

José é nomeado pelo rei para se encarregar disso e é promovido a governador e só não mandaria mais que o próprio rei. Deu a José o anel-sinete, madou que o vestissem com vestes de linho e colocou uma corrente de ouro em seu pescoço e o colocou em um carro destinado à maior autoridade do Egito e disse a seus homens que fosse à frente abrindo caminho, gritando para abrir caminho. Disse que apesar de rei, nada no Egito aconteceria sem o consentimento de José.

José não se limitou aos locais próximos ao rei e viajou por todo o Egito. Fora chamado Zafenate e ganhou como esposa Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Heliópolis. José ajuntou tantos cereais que deixou de contar, eram como grãos de areia no mar.

Os Filhos de José

José tivera dois filhos e ao primeiro deu o nome de Manassés e disse ‘Deus me fez esquecer todo o meu sofrimento e toda a família de meu pai’. Ao segundo deu o nome de Efraim e disse ‘o Senhor me deu filhos no país que tenho sofrido’.

Os Anos de Fome

Acabaram os anos ‘de vacas gordas’. Nos outros países, a fome assolava, menos no Egito. Quando até os egípcios sentiram fome, pediram ao rei e este mandou-os a José. José abriu as portas e começou a vender cereais, assim como os outros países vinham comprar alimentos ali.

Com a família de José não foi diferente, Jacó mandou os filhos ao Egito. Assim foi, os 10 irmãos foram, Benjamin ficara por medo de seu pai de que ele morresse. Foi uma caravana juntamente a outras pessoas rumo ao Egito.

José Testa Seus Irmãos

Encontraram José, pois era quem vendia os cereais e como em seus sonhos, seus irmãos curvaram-se diante dele encostando seus rosto ao chão. José prontamente os reconhecera e perguntou com dureza de onde eles vinham e os irmãos responderam que da terra de Canaã, eles não reconheceram a José e José vira que seu sonho estava a se realizar. José indagou dizendo que eles eram espiões e eles responderam que não eram e que só foram ao Egito comprar mantimentos, que eram filhos do mesmo pai e que eram pessoas honestas. José, contudo, disse não acreditar, mas os irmãos insistiram que o que os levava ao Egito era o único propósito de não morrer de fome e que eram doze irmãos no total, sendo que um desaparecera e o mais novo ficou na companhia de seu pai. José insistira que eram espiões e que só havia um jeito de provarem ser verdade o que eles diziam que era a vinda de Benjamin ao Egito, caso contrário, ficariam detidos no Egito, que um iria busca-lo e os demais provisoriamente retidos.

José, contudo, no terceiro dia, disse que não os matariam, mas que um ficaria detido no Egito enquanto os demais levariam mantimentos à família. Eles concordaram e disseram entre si que aquilo era conseqüência do que fizeram a José outrora, que viram sua aflição enquanto ele clamou por socorro, mas que diante de tudo aquilo, não se importaram. Rúben lembrou-os que ele pediu para que não fizessem aquilo e pensara que José havia morrido. Eles não imaginaram que José entendia a língua deles, porque antes falavam com ajuda de intérprete, foi quando José começou a chorar, quando parou de chorar, amarrou Simeão na presença dos outros irmãos.

José mandou os que enchessem de mantimentos e que devolvessem o dinheiro deles colocando em seus sacos, além de comida para a viagem. Os jumentos de seus irmãos carregaram tudo aquilo. Quando pararam para pernoitar, um dos irmãos vira que o dinheiro estava no saco e assustados. Ao chegarem a Canaã, contara a seu pai o que havia acontecido. Jacó quando soube que deveriam levar Benjamin, temeu a perda de todos os filhos. Rúben prometera cuidar de Benjamin, mas Jacó ainda temera.

Quando o alimento que eles levaram acabara, Jacó mandou que voltassem ao Egito para comprar mais e Judá lembrou que o governador fora enfático ao ordenar a ida de Benjamin, que não os receberia e que podiam matar Ruben e simplesmente não vender alimentos aos hebreus. Jacó inconformara pelo fato de terem dito que tinham outro irmão e eles disseram que o homem fizera muitas perguntas. Judá prometera cuidar de Benjamin e assim, partiriam naquela hora mesma e que seria sua a culpa se Benjamin não voltasse são e salvo. Jacó se vendo em situação reversa, concordou e pediu que levassem presentes como bálsamo, mel, especiarias, nozes e amêndoas e o dobro da quantia pelo fato de não terem pago da primeira vez juntamente a Benjamin que fora a exigência e pediu que fossem depressa. Pediu a Deus que o homem tivesse pena deles para que voltassem pra casa. Assim fizeram e logo que chegaram, foram falar com José. Quando José viu Benjamin, pediu que os levassem à sua residência e que matasse um animal, pois eles almoçariam com ele. Assim fora feito. Os irmãos tiveram medo e pensaram que foram levados para aquele lugar por conta do dinheiro que voltara consigo nos sacos e pensaram que os tomaria como escravos. Eles logo trataram de explicar que não haviam tomado de volta o dinheiro e que trouxeram mais pra pagar a primeira compra e o administrador tratou de despreocupa-los dizendo que ele havia recebido o dinheiro deles. Ele trouxera Simeão, levou-os para dentro de casa, deu-lhes água para que lavassem seus pés e deu de comer aos jumentos e quando souberam que José ia almoçar ali também ao meio-dia, prepararam os presentes e quando José chegou em casa, deram-lhe os presentes, postaram de rosto no chão. José pergunta do pai deles e eles responderam que ele estava bem. Quando José viu Benjamin, perguntou se era o irmão mais moço de quem eles falavam e eles afirmaram. Ao ver seu irmão, ele se emocionou tanto que teve vontade de ir para o quarto e chorar, ao lavar o rosto depois do choro, mandou servir o almoço. José almoçou em uma mesa a parte deles e dos egípcios que por motivos religiosos, não podiam comer junto aos israelitas. Ao organizarem os irmãos, foram colocados por ordem de idade, do mais velho ao mais jovem. Eles repararam e admiraram-se. Foram-lhes servidos da mesma comida que José e a Benjamin, cinco vezes mais que aos outros e beberam com José até ficarem alegres.

Passado isso, José ordenou que seu copo particular de prata fosse colocado junto ao saco de Benjamin com mantimentos fartos a todos e seus dinheiros. Quando de manhã cedo saíram da cidade, José mandou que os parassem e indagasse porque retribuíram o bem com o mal roubando o copo de prata que ele bebia e advinhava. Quando o criando fizera o que lhe fora ordenado, eles perguntaram porque o criado falava daquela maneira, que jamais fariam aquilo, que se o copo fosse achado, poderia tomar todos como escravo e aquele, morto. O criado disse que só o que fosse acusado, seria escravo, os demais poderiam ir embora. O criado sabendo que estava com Benjamin, começou pelo mais velho e por último, claro, vira no saco de Benjamin. Os irmãos rasgaram suas vestes e voltaram para a cidade. José ao vê-los, perguntou porque fizeram aquilo, que um homem como ele era capaz de adivinhar as coisas. Judá disse que não poderiam provar suas inocências, que os tomasse como escravos e José disse que só

Seria escravo aquele com quem foi encontrado o copo e que os demais poderiam voltar para casa em paz.

José Conta Quem É

Judá pediu para falar com José e esse disse que Benjamin tinha outro irmão que morrera, que seu pai morreria se Benjamin morresse, que haviam feito o que ele pedira e que se voltassem sem Benjamin, seu pai morreria de tristeza e, por isso, que ficaria no lugar de Benjamin como escravo.

Ouvindo aquilo, José não conteve a emoção e gritou para os empregados saírem. Ele chorou tão alto que os egípcios ouviram e logo chegou aos ouvidos do rei. Pediu para que os irmãos chegassem perto, que ele era José, o filho que eles venderam para ser trazido ao Egito, perguntou de seu pai e eles ficaram pasmos que nem conseguiram responder. Disse que não ficassem tristes ou aborrecidos porque o Senhor permitiu que ele fosse para salvar vidas. Contou que dois anos se passaram de fome no mundo e que ainda haveria mais cinco em que ninguém plantaria ou colheria e que ele foi enviado na frente para que salvasse a vida deles e garantisse que teriam descendentes, que não foram eles que haviam mandado José pra lá e sim, Deus e que foram Ele quem o pôs como mais alto ministro do rei. Ordenou que fossem depressa dizer que seu filho José estava vivo, que Deus o fizera governador do Egito, que moraria na região de Gosém e que seus descendentes, gado e tudo que lhe pertencia fosse junto, pois haveria mais cinco anos de fome no mundo e que lá em Gosém não lhes faltariam nada. José abraçou Benjamin e começou a chorar, Benjamin abraçado a seu irmão também chorou. José abraçou e beijou a todos e conversaram.

Jacó sabe que José estava Vivo

O rei soube e disse que os irmãos de José levasse os animais para trazer o pai deles, que teriam as melhores terras do Egito e que comeriam dos melhores alimentos que o país produzisse. Que os irmãos levassem carreta para trazerem suas mulheres, as crianças e seu velho pai e que não se importassem em deixar pra trás os pertences, pois o que havia de melhor no Egito, eles desfrutariam. José fez o que o rei mandou e mantimentos para a viagem, assim como roupas novas e para Benjamim, cinco mudas de roupas e trezentas barras de prata. Para seu pai. José mandou dez jumentos carregados das melhores coisas do Egito para seu pai e dez carregados de trigo, pão e outros mantimentos para a viagem. Na hora da partida de seus irmãos, José pediu que não brigassem. Assim, eles saíram e ao chegarem a Canaã, disseram a Jacó que José estava vivo e que este havia se tornado governador do Egito. Jacó quase desmaiou, mas quando contaram tudo que José havia dito e mostrado o que ele havia mandado, Jacó acreditou e quis o mais rapidamente possível ver o filho que há anos não via.

José Reencontra seu Pai

Jacó partira com tudo que tinha e em Berseba, ofereceu sacrifícios a Deus, naquela mesma noite, Deus falara em uma visão com ele, chamara e ele respondera e Deus disse que seus descendentes formariam uma grande nação, que Ele iria para o Egito com Jacó e que traria os descendentes de Jacó de volta para Canaã e que José estaria a seu lado na hora de sua morte.

Jacó partiu de Berseba com toda a numerosa família – setenta descendentes homens diretos, sem contar suas esposas. Ao chegar ao Egito, Jacó mandou que Judá fosse ao encontro de José para que os encontrassem em Gosém. Quando chegaram, José mandou preparar o carro e foram. Ao ver seu pai, chorou e abraçou-o por muito tempo e Jacó disse que agora poderia morrer em paz. José mandou dizer ao rei que seus irmãos chegaram e que foram pastores de ovelhas e cabras a vida inteira, para morarem em Gosém, pois os egípcios odiavam pastores.

José apresentou cinco de seus irmãos ao rei que os perguntara o que faziam e eles responderam que eram pastores de ovelhas, o rei disse que ficassem na região de Gosém, a melhor do país e que os mais capazes, cuidassem de seu rebanho particular. Posteriormente, José levou seu pai que deu a sua bênção ao rei que perguntara sua idade e ele disse cento e trinta anos e contou que não tivera a mesma longevidade que seus antepassados. Contou ainda que foram anos difíceis tanto os dele, quanto de seus ancestrais, depois foi embora. José deu terras na melhor região do Egito a eles, próximo à cidade de Ramessés, José dava mantimentos a todos eles conforme suas necessidades.

Início da Escravização

Não havia mais alimento nem no Egito e a fome assolava. O povo já estava fraco. José ajuntou todo o dinheiro e levava ao rei. Quando o dinheiro das pessoas acabou, foram falar com José clamando por comida. José disse que se não havia mais dinheiro, que trouxessem o gado em troca de comida durante aquele ano. Quando o ano passou, pediram mais alimentos, como não tinham, tornaram-se escravos em troca de sementes para plantarem, assim foi, José comprou todas as terras do Egito para o rei, menos as terras dos sacerdotes, que tinham a proteção do rei e mantimentos dados pelo rei, por isso, não precisaram vender suas terras. O imposto de a quinta parte, continuara, tornara-se lei a quinta parte do rei, menos, claro, os frutos das terras dos sacerdotes.

Jacó viveu dezessete anos no Egito e ao ver que ia morrer, pediu que José o mandasse a Canaã para que fosse enterrado junto aos seus e abençoou os filhos e orou encostado à cabeceira da cama. Algum tempo depois, disseram a José  que seu pai estava doente, José foi visita-lo e levou seus dois filhos. Jacó disse que Efraim e Manasses o pertenciam e que se ele tivesse outros filhos, que seriam dele, mas que, por serem irmãos de Efraim e Manasses, teriam igualmente a herança.

Jacó abençoa os filhos de José

José encostou seu rosto no chão. Logo em seguida, José pegou Efraim, o mais novo com a mão direita e Manasses, com a esquerda para que, estrategicamente, ficassem Manasses na mão direita de Jacó e Efraim na esquerda. Contudo, Jacó cruzou os braços e explicou a José que, apesar de Manasses ser o mais velho e ter numerosos descendentes, Efraim seria mais importante e seus descendentes seriam muito mais numerosos e formariam muitas nações. Logo em seguida, Jacó deu a região de Siquém somente a José e prometera que seus descendentes voltariam pra lá. Jacó disse a um por um o que aconteceria a seus filhos, deu-lhes sua bênção em separado especial a cada um.

Jacó antes de morrer, pediu que José que o levassem nas terras de Efrom, o heteu em Macpela a leste de Manre, onde fica uma caverna da qual estavam sepultados Sara e Abraão, Isaque e Rebeca e Leia, a esposa mais velha e mãe dos dez primeiros. Raquel, mãe de José e Benjamin, morrera na volta da Mesopotâmia em Canaã na cidade de Efrata (hoje conhecida como Belém).

A Morte de Jacó

Jacó deitou-se na cama e morreu. José chorou e beijou seu rosto. Deu ordens aos médicos que o embalsamassem. Gastaram quarenta dias e os egípicios ficaram de luto por setenta dias. Quando o luto acabou, José contara ao rei o que seu pai havia pedido e o rei mandou que o levassem à terra de Canaã como havia prometido a seu pai. Consigo foram altos funcionários, líderes do Egito, famílias de José, dos irmãos de José e de Jacó. Ficaram somente crianças pequenas e o gado. Homens a cavalo e carretas, enfim, um grande grupo. Na chegada a Atade, fizeram uma cerimônia de trigo malhado. Carpideiras choraram alto por sete dias. O povo de Canaã viram o choro alto dos egípcios e chamaram aquele lugar de Abel-Misraim “Como é impressionante o choro desses egípcios”. Os seus filhos o que seu pai havia ordenado. Passado isso, José voltou ao Egito junto a seus irmãos e todos os demais.

Os Irmãos Temem José

Depois da morte de Jacó, seus irmãos temiam por uma atitude de vingança de José e disseram que Jocó havia dito antes de morrer que perdoasse seus irmãos. José ao ouvir, chorou e seus irmãos se curvaram diante dele dizendo ser seus criados. José disse para não temerem, que ele era um enviado de Deus para salvar a vida de muitas pessoas. Ouvindo isso, os irmãos se acalmaram.

A Morte de José

José morou no Egito até sua morte, viveu cento e dez anos e chegou a ver os netos de seus filhos. Quando viu que estava próximo à sua hora, disse aos irmãos que Deus os tiraria do Egito e os daria de volta a terra de Abraão e os pediu um juramento: quando Deus viesse em ajuda deles, que levassem seu corpo. Quando morreu, seu corpo fora embalsamado e colocado em um caixão.

* Hebrom – nome que originou a palavra Hebreus, o povo da qual Abrãao, pai de Isaque, avô de Jacó (Israel) e bisavô de José é patriarca

** Ismaelitas são descendentes de Ismael – filho de Abrãao com sua escrava egípcia Agar. Ismael não é contado como filho pelo fato de ter abençoado Isaque, seu único filho com sua esposa Sara. Apesar de não ter entrado na bênção e na herança, Ismael quando se separou com sua mãe de seu pai, ganhara muitos presentes, Abraão não o desamparou

___________________________________________________________

essa história serve para os fillhos: sejam bons com seus pais e eles que te amam muito mais que você a eles, sempre pensarão em você com amor e carinho, mesmo depois de sua morte. Façam seu melhor sempre sem temer a inveja alheia. Principal: temam a Deus que Ele estará contigo até nos momentos mais difíceis

publicado em 24 de julho de 2009 por Eu

Uma resposta para “José no Egito

Assinar os comentários com RSS.

  1. não entendi o que disse. quer que mande um comentário pra vc, que comentário?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: